quarta-feira, 1 de julho de 2009

Pausar, rebobinar, apertar play

Meu espírito revolucionário um dia será esquecido; meus sonhos de juventude um dia mudarão; meu romantismo um dia será substituído por amargura; minha vontade de mudar o mundo um dia terá sido apenas uma desilusão apagada pelo cotidiano – É o que dizem aqueles que estiveram no meu lugar, se acham sábios e no direito de tornar tudo o que pensam em verdade absoluta. Como se a verdade não fosse relativa...ah, e eu sei bem que ela é!
Não vejo lógica alguma em seguir os passos daqueles que nada me ensinaram, só me fizeram seguir sistemas deploráveis, me mostraram a irracionalidade do ser humano, que desiste de seus ideais sob a desculpa de que o tempo passou.
O tempo sempre passa, mas o que você faz com esse tempo para formar caminhos diferentes daqueles que não obtiveram sucesso? Nada que seja suficiente, pois ninguém levou a sério seus sonhos interrompidos. Eu vi a mudança ser constantemente adiada por meus pais e pelos pais deles...e agora eu vejo a esperança cair na real.
Os anos levaram consigo o brilho que vivia lá no olhar dos sonhadores e o entusiasmo de um jovem persistente que continuou lutando mesmo após tantas derrotas. Hoje, essa juventude anda disfarçada de trabalhadores - Os incansáveis, já cansados, na busca pelo bem material. – burgueses!
Enquanto eu fico aqui me lembrando de todas as conversas imaginárias que mantive com um amigo real, eu temo que, talvez, o brilho em meus olhos já não seja mais o mesmo, pois o tempo está passando...