segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Palavras ao avesso

Algo ainda me segura àquele momento. O tempo parece ter parado ou até mesmo voltado, uma sensação singular que apaga os últimos acontecimentos e, então, minha mente continua a lutar tentando entender toda essa confusão paradoxal.
Todo esse disfarce subentendido no jogo das palavras. Muitas em vão. Elas saem sem a intenção de mostrar algo verdadeiro, entretanto, não posso evitar. Mas seus defeitos, os quais insisto em ressaltar, me parecem ilusões de qualidades. E aquelas palavras que deveriam ser as mais sinceras? Essas são como um suspiro estrondoso por dentro...ora voam silenciosas ora voam sem explicação...
São tantas imagens fantasiosas que começo a achar que nada mais me surpreende, exceto quando um certo olhar vem em minha direção. Após tanto tempo, sim, essa pequena “atitude” é uma surpresa, pena essa possibilidade ser tão angustiante quanto o fim daquela esperança inabalável, visto que minhas análises corroem qualquer tipo de sensação.
...os dias, meses passaram devagar, no entanto, ainda não pude chegar a uma conclusão. Somente posso dizer: És um alguém, no mínimo, intrigante.